Uploaded with ImageShack.us

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Canção da POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

video 
Canção da Polícia Militar do Estado de São Paulo
Fonte: Site Youtube - http://www.youtube.com/watch?v=rhT8G-rkuT4





     Em 15 de dezembro de 1831, por lei da Assembléia Provincial, proposta pelo Presidente da Província de São Paulo, Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, foi criado o Corpo de Municipais Permanentes, composto de cem praças a pé, e trinta praças a cavalo; eram os "cento e trinta de trinta e um".
     Era o início da Gloriosa Polícia Militar do Estado de São Paulo.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

PM repudia a queima da Bandeira Paulista


Polícia Militar repudia a queima da Bandeira Paulista

PM cultiva e prima por valores morais e éticos


A Constituição Federal garante o livre direito à manifestação, sendo a liberdade de expressão um direito fundamental consagrado, uma vez que funciona como um termômetro do Estado Democrático de Direito. Sob essa ótica, a Polícia Militar, não só apóia o direito fundamental das pessoas se manifestarem, como também, atua garantindo a ordem durante as manifestações públicas e o direito das demais pessoas.

Muitos direitos e garantias foram conseguidos por meio de manifestações, sendo algumas históricas para a humanidade. Quem não se lembra, quando em junho de 1989, um único jovem, solitário e desarmado, invadiu a Praça da Paz Celestial na China e fez parar uma fileira de tanques de guerra? Ou então, no Brasil, em 1984, as manifestações pelas Diretas que reuniram mais de um milhão de pessoas na Candelária, no Rio de Janeiro e mais de um milhão de meio de pessoas, no Anhangabaú, em São Paulo? Ou então, dos caras pintadas, em 1992, reunindo mais de 750 mil estudantes, exigindo o impeachment do presidente?

A força de uma democracia depende de uma sociedade civil educada e bem informada, cujo acesso à informação lhe permite participar ou não de atos reivindicatórios. Protestar e cobrar de seus governantes são ações que fazem parte da vida em sociedade, comprovam o civismo de um povo. Porém, tudo depende, de como ocorre o protesto.

Na manifestação ocorrida na tarde de ontem, 20 de janeiro, na capital, cujo trajeto foi todo acompanhado e monitorado pela Polícia Militar, os manifestantes pararam no cruzamento das Avenidas Paulista e Brigadeiro Luis Antonio para realizarem um ato simbólico: queimar a bandeira paulista.

A bandeira paulista, estilizada por Júlio Ribeiro, foi hasteada pela primeira vez em 15 de novembro de 1889, no Palácio do Governo de São Paulo.  As suas 13 listras pretas e brancas, o retângulo vermelho na lateral esquerda com o mapa do Brasil no centro e as quatro estrelas ao redor tem um significado muito forte para o seu povo, não somente pela sua heráldica, mas por representar a luta de um povo em prol de um país.

“De noite e de dia, o povo paulista, defenderá o Brasil, pelos quatro cantos, mesmo com o sacrifício de sua própria vida”. Essa singela explicação da heráldica da bandeira paulista tornou-se real e virou o símbolo dos paulistas na Revolução de 1932, cuja luta dos paulistas por um Brasil melhor é lembrada e comemorada até hoje no dia 09 de julho, feriado estadual para nós paulistas.

Se os protestos e as manifestações fazem parte da vida em sociedade, retratam a luta de um povo buscando uma vida melhor, queimar o símbolo maior desse povo, demonstra exatamente o contrário, motivo pelo qual a Polícia Militar repudia o ato da queima da bandeira paulista na manifestação de ontem.

Necessário se faz cultivarmos valores, tradições, civismo, patriotismo, cidadania que em momento algum conflitam com avanço, tecnologia e inovação. A Polícia Militar cultiva e prima por esses valores e outros como morais e éticos que norteiam suas ações e a conduta de seus integrantes.

Repudiar é também protestar, protestar por pessoas que não sabem o que fazem, pois acreditamos que aquelas pessoas não sabiam o que estavam fazendo e nem o quão valoroso era o bem que estavam queimando. Falta informação. Falta conhecimento da sua história. Falta civismo e educação.

São Paulo, 21 de janeiro de 2011.

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Compromisso com o cidadão!

Fonte: www.policiamilitar.sp.gov.br 



   A Bandeira Paulista representa nosso Estado. É um símbolo tão especial, que só ela tem o Brasil incorporado: São Paulo e Brasil se misturam.
  Quem cometeu esse ato sem civismo desconhece o que é ser Paulista.
  A Bandeira deve ser símbolo de orgulho do povo. 
  Quando um povo quer ofender uma nação, aí sim vemos bandeiras  sendo queimadas, vemos o orgulho de um povo sendo consumido, o que não é o caso, já que a "manifestação" não era contra o povo de São Paulo, mas sim contra autoridades delegadas para o exercício do poder  através da Democracia, eleitas pelo próprio povo que estava se "manifestando". 
    A manifestação foi eficaz ? Não, ela foi inapropriada! Mas valeu ao chamar a atenção para falta de conhecimento, falta de educação e falta de capacidade de reivindicar.
  O ato foi uma violência contra a história e a honra do Estado de São Paulo, e mais do que isso, foi uma violência contra o próprio povo de São Paulo.